Thank you so much, Mr. Parks

with No Comments

Gordon Parks: part two – Muhammad Ali in pictures

The exhibition, at Alison Jacques gallery in London until 1 October, focuses on Parks’ intimate and nuanced portraits of the legendary athlete and human rights advocate Muhammad Ali. Receiving unprecedented access to the champion, Parks met Ali in 1966 during his training in Miami, before flying to London to document the run up to his fight against Henry Cooper

Muhammad Ali, Miami Beach, Florida, 1966. © Gordon Parks

Gordon Parks: Part One review – works of riveting beauty, dignity and anger

Capturing in living colour the daily lives of black families in segregated America, the photographer’s work shocks all over again today

 ‘It is a moment before you notice the children’s bare feet’: At Segregated Drinking Fountain, Mobile, Alabama, 1956 by Gordon Parks. Photograph: Courtesy of the Gordon Parks Foundation, New York and Alison Jacques Gallery, London © the Gordon Parks Foundation

In old age, Parks summed up a photographic career of over 60 years with a pithy statement: “I chose my camera as a weapon against all the things I dislike about America – poverty, racism, discrimination.” To see these old photographs now, some of them more than 60 years old, is to be shocked all over again at the inexplicable evils of racism. These images speak again with their grave and solemn voice, out of the past and directly into our present.

De Gordon Parks, a gente sabe um pouco…

Clique na imagem para ir para antiga PicturaPixel.

Um dia viu uma matéria sobre como viviam os pobres norte-americanos, com fotos produzidas pelo fotógrafos da FSA (Farm Security Administration). Foi o estopim para a decisão de sua vida. Aos 25 anos comprou a sua primeira camêra, uma Voightlander, por US$7,50. A máquina fotográfica se transformou no passaporte para uma longa jornada. Logo conseguiu um trabalho como fotógrafo, em uma loja de moda em St. Paul, Minnesota. 

Mudou-se para Chicago, e lá fotografou os guetos da cidade. As injustiças sociais e a pobreza foram sua motivação permanente. Em 1942 foi trabalhar justamente na FSA em Washington. E para variar, foi o primeiro fotógrafo negro da agência. No seu primeiro dia de trabalho, foi barrado numa loja de roupas, num cinema e num restaurante. Frustrado e com raiva, voltou ao escritório e convenceu a faxineira a posar para ele. O resultado foi um dos ícones da fotografia norte-americana. É a famosa foto conhecida como “American Gothic”. 

© Gordon Parks

…Em 1961, Gordon Parks foi ao Brasil, fazer uma pauta sobre a pobreza na América Latina. Na favela da Catacumba, no Rio de Janeiro, Gordon descobriu Flávio da Silva, um garoto de 12 anos que cuidava dos 7 irmãos, enquanto o pai vendia querosene no asfalto e a mãe trabalhava de lavadeira. ” Eu estava no centro da pior pobreza que já havia visto.” Foi um encontro que mudou a vida de Gordon e salvou a de Flávio, que era asmático e tuberculoso. Gordon ficou comovido com a situação de Flávio e fez do garoto o centro de sua atenção. Ele conviveu por mais de 20 dias com os da Silva. Chegou a dormir uma noite no barraco da família. 

Seguimos, mas ainda falta dizer que Gordon Parks mora no nosso coração, como se dizia antigamente.

Leave a Reply